Ressurreição: A morte da morte

* Foto do túmulo de Jesus. Deus permitiu estar lá (em Jerusalém) e tirar esta foto.

A ressurreição de Cristo é maior milagre da história ou é o maior embuste. Jesus saiu do túmulo, ou então, uma mentira tem transformado o mundo. Se Cristo não tivesse ressuscitado, Ele seria o maior embusteiro da História. E.M. Bounds disse:

“A ressurreição de Cristo é a pedra fundamental da arquitetura de Deus, é o coroamento do sistema bíblico, o milagre dos milagres. A ressurreição salva do escárnio a crucificação e imprime à cruz glória indizível”.

Em toda a Bíblia ninguém escreveu tanto sobre a ressurreição do corpo como Paulo, aquele a quem o Senhor Jesus, depois de ressuscitado, apareceu por último. O texto mais profundo, mais encorajador e edificante sobre a ressurreição de Cristo e dos mortos é da lavra de Paulo. Assim como o mais lindo texto sobre o amor é o capítulo 13 de I Coríntios, e o mais lindo sobre a fé é o capítulo 11 de Hebreus, nada supera o que o apóstolo escreveu sobre a ressurreição do corpo no capítulo 15 de I Coríntios.

Paulo termina este capítulo de forma majestosa: “Onde está, a morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu aguilhão?” (I Co 15.55). Por pouco o profeta Oséias não se levanta do tumulo para cobrar seus direitos autorais sobre a frase da vitória (Os 13.14).

Depois de mencionar fatos históricos [a aparição de Jesus a 500 irmãos, depois apareceu ao apóstolo – I Co 15.6,8], o apóstolo mostra que a ressurreição de Cristo está cimentada com a ressurreição dos mortos. Uma vez que é impossível negar a primeira, também será impossível negar a segunda. Ambas são inseparáveis. A primeira credencia que haverá a segunda. Isso é fato.

Agora o apóstolo começa a dissertar essa tese, e provar por argumentos brilhantes, o porque da ressurreição ser um fato incontestável:

1) Se Cristo não ressuscitou, não temos nada para anunciar, nem vocês tem nada para crer” (I Co 15.14) ou “vazia é a nossa pregação, vazia também é a vossa fé”.

2) Se Cristo não ressuscitou, “nós, os apóstolos, somos todos uns mentirosos porque dissemos que Deus levantou Cristo do túmulo e isto logicamente não é verdade se os mortos não voltam novamente à vida” (I Co 15.15)

3) Se Cristo não ressuscitou, “vocês são muitos tolos, se continuam a confiar que Deus os salva, pois ainda estão sob condenação devido aos seus pecados” (I Co 15.17, BV)

4) Se Cristo não ressuscitou, coisa horrível, “os que morreram crendo em Cristo, morreram e estão perdidos por completo” (I Co 15.18)

5) Se Cristo não ressuscitou, nossa esperança em Cristo só vale para esta vida. Neste caso, somos, sem dúvida, os mais miseráveis de todos os homens (I Co 15.19).

Se o fio condutor do pecado e da sua irmã gêmea, a morte, é o Adão do jardim do Éden, o fio condutor da graça e de sua irmã gêmea, a ressurreição dos mortos, é o Jesus do jardim do Getsêmani (I Co 15.21). Como descendentes de Adão e membros de uma raça pecaminosa todos morreremos ou [quase todos], mas como membros do Cristo Ressuscitado todos ressuscitaremos para a vida (I Co 15.22).

O ilustre estudioso das Escrituras, Dr William Barclay diz que a ressurreição nos prova quatro grandes fatos que podem mudar totalmente a perspectiva que o homem tem na vida deste mundo e no mundo vindouro.

1) A ressurreição prova que a verdade é mais forte que a mentira. Jesus é a verdade e os homens quiseram matá-lo exatamente porque Ele falava a verdade (Jo 8.40). Se os inimigos de Cristo tivessem conseguido eliminá-lo, a mentira teria prevalecido sobre a verdade. Porém, Cristo ressuscitou e hasteou para sempre a bandeira da verdade.

2) A ressurreição prova que o bem é mais forte que o mal. Certa feita Jesus dirigiu-se aos seus inimigos, dizendo que o Diabo era o pai deles (Jo 8.44). As forças que crucificaram Jesus pertenciam ao mal, e se não houvesse a ressurreição, o mal teria prevalecido.

3) A ressurreição prova que o amor é mais forte que o ódio. Jesus é o amor de Deus encarnado. Porém, aqueles que o crucificaram estavam tomados de um ódio terrível. Esse ódio chegou ao extremo de chamar Jesus de endemoninhado e afirmar que Ele agia pelo poder do maioral dos demônios. Se a ressurreição não tivesse acontecido, o ódio teria triunfado sobre o amor.

4) A ressurreição prova que a vida é mais forte que a morte. Jesus é a vida. Sua vida não lhe foi tirada, Ele espontaneamente a deu. Se sua vida tivesse sido tirada Dele e se Ele não tivesse ressuscitado, a morte teria a última palavra.

Para concluir este magno assunto que é inesgotável, deixarei alguns textos bíblicos e algumas pérolas de homens de Deus na história:

Disse-lhe JESUS: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. João 11.25

Declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos, JESUS Cristo, nosso Senhor. Romanos 1.4

Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte. Filipenses 3.10

“A ressurreição de Cristo foi o grito de liberdade sobre o domínio dos mortos e a vitória que levou a morte em cadeias”
E.M. Bounds.

“A ressurreição é a mais rica jóia do Evangelho”. E.M. Bounds

“Significa a morte da morte, o enterro da morte, o desaparecimento da morte”

No amor de Jesus,

Pr Marcelo Oliveira

Bibliografia:

Revista Ultimato – A morte está morta. Edição Jan/Fev 2007
Lopes, Hernandes Dias. I Coríntios. Ed Hagnos 2008

Bounds, E.M. A glória da ressurreição. Ed Vida

19 Responses to Ressurreição: A morte da morte

  1. Julio Severo disse:

    A morte da morte! Belíssimo título, Pr. Marcelo!

  2. Amigo Pr. Marcelo Oliveira;

    Shalom;

    Parabéns, magnífico texto principalmente abordando este assunto tão esplendoroso sobre a ressurreição de Cristo, no tocante a Paulo quando refutava os religiosos da igreja de Corinto o fazia com muita autoridade, a ponto de não deixar sombra de dúvidas aos crentes da Igreja primitiva e ao mesmo tempo colocava em xeque-mate os que não acreditavam na ressurreição após a morte. Se porventura a história terminasse no calvário, Cristo seria somente mais um profeta como os demais, porém, o ponto culminante está na sua gloriosa Ressurreição que nos garante a autenticidade de um Evangelho
    genuíno. Que Deus continue usando sua vida poderosamente;

    "Não temas; eu sou o Primeiro e o Último e o que vive; fui morto, mais eis aqui estou vivo para sempre. Amém!" Ap.1:17p/c e 18.

    Ev. Anderson Araujo.

  3. O dia que a morte foi despida!
    e totalmente aniquilada na Cruz de
    CRISTO! RESSURREIÇÃO A ARMA SECRETA
    DE DEUS!

    brilhante artigo, Pr Marcelo!

  4. wally disse:

    amado pr. Marcello, apz.

    inspirado e inspirativo seu texto.

    gde abço,

    wally.

  5. Shalom!

    Prezado Julio Severo, uma honra receber sua visita e seu distinto comentário. Volte sempre!

    Abraços, Pr Marcelo

  6. Shalom!

    Amado Ev. Anderson, uma alegria receber seu ótimo comentário. Já dizia o Dr. John Stott, um dos maiores teólogos do mundo:

    "A ressurreição é o esteio de nossa segurança cristã com relação ao passado, ao presente e ao futuro".

    Nele, Pr Marcelo

  7. Shalom!

    Amado Pr Carlos, ilustre amigo e amante das Escrituras, agradeço por seu comentário!

    O Eterno seja contigo. Sempre!

    Pr. Marcelo

  8. Querido Marcelo.
    Parabéns pelo belissimo texto. Com certeza um dos principais temas da doutrina cristã, mais infelizmente tão pouco explorado, nesses dias em que a maioria prefere a chamada teologia da prosperidade e afins.
    Em Cristo.
    Amarildo.

  9. Irmão Marcelo:
    Gostaria de aproveitar da sua boa vontade e conhecimento. Não sei se este seria o lugar certo, mais é a oportunidade que tenho para esclarecer uma dúvida. É a respeito da palavra amor e sua tradução para o grego. Tenho conhecimento do Eros, filia e ágape, parece que há outras. Se for possível faça um breve comentário a respeito dessas traduções e de outras que possam existir.
    Se for possível esta resposta, pode ser direto em meu blog, e não é necessário que publique este pedido. http://www.amarildorocha.blogspot.com.br
    Ficarei muito grato.
    Em Cristo:
    Amarildo.

  10. Anselmo Melo disse:

    Como sempre…Brilhante.Muito bom o texto.
    Por favor se puder me ajudar com a campanha de ajuda para o Silas.
    http://pranselmomelo.blogspot.com/

  11. Shalom!

    1. Prezado irmão Amarildo, não sou um helenista (estudioso do grego) e sim, um singelo hebraísta.

    2. Todavia, penso que a outra palavra para amor é: storge: amor que suporta.

    3. As outras três palavras o irmão já fez menção em seu comentário.

    Espero ter lhe ajudado,

    Pr. Marcello

  12. Junior Soares disse:

    Excelente texto. Não existe cruz sem ressurreição.

    A citação de E.M Bounds por mais de uma vez denuncia o seu apreço por esse escritor…rs.

    A paz do Senhor Jesus!

  13. Caro Pr Marcelo:
    Agradeço muito pela sua atenção, desculpe minha ingnorância quanto ao seu conhecimento. Mesmo não sendo especialista me ajudou muito pois esta era realmente apalavra que eu buscava.
    Em Cristo:
    Amarildo.

  14. Anderson Meneghel disse:

    Caríssimo Marcelo,

    Devo plagiar E.M. Bounds: "A ressurreição é a mais rica jóia do Evangelho".

    Parabéns pela exposição!

    Seu amigo,
    Anderson Meneghel

  15. caro Pr. Marcello Shalom Adonay
    belo post, aliás sempre estou acompanhando seu blog e gosto muito dos seus escritos, já estou seguindo e permita-me publicar alguns do seus artigos no meu blog. aguardo sua resposta.

  16. Marcos disse:

    Excelente texto! Muito a ver com "A morte da morte na morte de Cristo", do Owen.
    Irmão, vi que vc escreveu um livro sobre Cânticos. Vc conhece a interpretação de Mark Driscoll sobre esse livro? Poderia comentar?
    Abraços reformados!

  17. Tatiana Vasco disse:

    A Paz! Me tornei seguidora e convido a seguirem meu blog Cristão http://www.opiniaodefe.blogspot.com e meu blog jornalístico http://www.tatianavasco.blogspot.com
    Deus abençoe!

  18. Todos que falam de Deus conforme Deus quer é amigo de Deus.
    Por isso decidi, em minutos, seguir seu blog, Pr. Marcelo, amigo de Deus.
    Quanto as frases sobre morte e ressurreição de Cristo, um dia escrevi no meu blog (não sei se ouvi antes ou fiz um "gancho" delas):
    "A morte da morte na morte de Jesus"
    e
    "A vida da vida na vida de Jesus"
    A idéia: a morte da morte fica na morte se for morte pelos pecados, mas na morte de Jesus, Ele assumiu meus pecados de morte.

    A vida da vida só tem vida abundante se for vida na vida de quem ressuscitou da morte para a vida – Jesus.

    Que Deus continue "usando e abusando" do seu blog.

  19. Tudo lindo e muito bem explanado nesse texto.

    Parabéns mais uma vez por tão bem colocadas palavaras que nos reportam à jóia mais cara de todo o Evangelho que vivemos e pregamos: a ressurreição de Cristo que, a cada manhã de domingo, lembra semanalmente a nós a vitória que é nossa também.

    Shalom!

    (Perdoe-me pela ausência. Não me esqueci desse manancial em meio ao deserto… Sempre voltarei aqui.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

 

Spam Protection by WP-SpamFree